Diplomata Chevrolet, 1990 ano em que inicia o processo para ser descontinuado

Compartilhe

O Diplomata Chevrolet, era a versão top de linha da família Opala, em 1990, com a anúncio oficial da abertura do mercado para importações, as montadoras já sediadas aqui no Brasil, começaram a se mexer. No mesmo começam os rumores me jornais do grande ABC paulista onde a fábrica da GM se encontra até hoje, e em algumas revistas automotivas nacionais, sobre o fim do gigante da Chevrolet.

O último exemplar deixaria a linha de montagem em 16 de abril de 1992. Mas apenas no final do segundo semestre de 1991 que a montadora se pronunciou oficialmente que iria descontinuar o seu modelo de luxo de grande porte. Mas ainda ficava uma dúvida no ar, o brasileiro vai ganhar um upgrade do modelo atual ou chegará um projeto gringo?

No início de 1990 quando o projeto já estava em andamento, o que havia de certo era que o novo carro de grande porte da GM seria o Opel Omega, mas ainda existia dentro do setor de engenharia e de marketing da montadora uma dúvida. O nome será o mesmo europeu ou vai ser batizado como new Opala?

Ainda existiam mais duas opções de nome para o novo modelo, mas a que mais ventilou foi “Chevrolet Senator” traduzindo para o português “Senador”. E a última e menos provável opção, porém defendida fortemente pelos amantes do Opala, seria, “Chevrolet Diplomata”, transformando a versão em nome do modelo. Mas no final a nomenclatura Omega acabou prevalecendo.

A unidade da matéria, o Diplomata Chevrolet, é um Opala na versão top de linha na cor preto nobre. Equipado com todos os opcionais de época, ar-condicionado, direção hidráulica e trio elétrico. O conjunto propulsor, é o motor 4.1/S de 6 cilindros a gasolina e o câmbio 4 marchas, entregando 118 cv líquidos, torque máximo de 28 kgfm a 2000 rpm, velocidade final real de 170 km/l e aceleração de 0 a 100 em 12,2 km/l. Quanto ao consumo na cidade 6,1 km/l e na estrada 9,4 km/l.

Acabamento Externo

Faróis –  Lentes planas trapezoidais, com luz de longo alcance embutida no mesmo conjunto dos faróis;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono, na cor grafite, com friso emborrachado;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Com frisos na horizontal e vertical na cor grafite;

Retrovisores Externos – Panorâmicos com ajuste elétrico;

Frisos – Largo friso emborrachado em toda a extensão lateral do carro, com detalhes cromados e o logo “Diplomata SE”;

Rodas – De liga-leve 195/70 R14;

Maçanetas – Embutidas na porta;

Logo – “4.1/S”, na tampa do porta-malas;

Lanterna Traseira – Tricolor fumê com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil na cor grafite;

Volante – Espumado de três raios, estilo executivo;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico nas 4 portas;

Sistema de travamento das portas – Elétrico central;

Ajuste dos retrovisores externos – Interno elétrico;

Acabamento dos bancos – Em fino tecido aveludado;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido aveludado;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Sim;

Banco traseiro – Com encosto de cabeça para dois passageiros e apoio para o braço;

Encosto de cabeça – Para quatro passageiros com regulagem de altura;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Diplomata Chevrolet – 4.1/S – Ano 1990

Carroceria – GM Sedã;

Porte – Grande;

Portas – 4;

Motor –  4.1/S;

Cilindros – 6 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 118 cv;

Peso Torque – 47,6 kg/kgfm;

Cilindrada – 4093 cm³;

Torque máximo – 28 kgfm a 2000 rpm;

Potência Máxima – 4000 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 4 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1322 kg;

Suspensão dianteira – Independente, Braços sobrepostos – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo rígido – Mola helicoidal;

Comprimento – 4844 mm;

Distância entre-eixos – 2667 mm;

Largura – 1766 mm;

Altura – 1408 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 12,2 Segundos;

Velocidade máxima – 170 km/h;

Consumo: Cidade 6,1 km/l – Estrada 9,4 km/l;

Autonomia: Cidade 512 km – Estrada 790 km;

Porta malas – 396 Litros;

Carga útil – 420 kg;

Tanque de combustível – 84 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 356.990,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos.

Deixe um comentário