Volkswagen Santana 2.0 Mi Confortline 2003 chegando a quase 190 KM/h reais

Volkswagen Volkswagen Santana

O único sobrevivente da guerra dos médios de luxo da década de 1980, chega ao século 21, sem fazer feio, com um desempenho de dar inveja a muitos modelos recém lançados

Equipado com o motor AP 2.0 MI de última geração, o Volkswagen Santana 2.0 Mi Confortline 2003, entregava oficialmente 114 CV de força, mas na prática podia chegar a quase 120 CV, indo de 0 a 100 em 10,3 Segundos e chegando a quase 190 KM/h de velocidade real, com muito equilíbrio e conforto.

Mesmo com um ótimo desempenho, ainda conseguia ser relativamente econômico para um modelo como motor 2.0 e pesando mais de uma tonelada, fazendo bons 13,5 KM/L na estrada, os itens de série de conforto também eram interessantes, ar – condicionado, direção hidráulica, travamento central de portas + trio elétrico, sem contar que em 2003 era o caro nacional de médio porte de luxo mais barato.

Mesmo oferecendo tantas vantagens, o Santana 2.0 Confortline, tinha um número de unidades emplacadas bastante modestos, ofuscados pelos modernos e badalados, Jetta e Bora, sem contar os modelos de outra montadoras, as vendas do VW Santana contavam com fãs ainda remanescentes das décadas de 1980 e o público CNPJ e profissionais liberais como taxistas que ainda viam uma ótima relação custo benefício no quase trintão  da Volkswagen. 

Desempenho

O motor AP estava no auge de sua tecnologia aqui no Brasil, entregando muita potência, confiabilidade e uma manutenção relativamente barata, em comparação aos concorrentes importados e os nacionais recém lançados;

Na cidade o Santana 2.0 2003, não deixava a desejar, era muito ágil, mesmo com 5 adultos, ainda entregava um bom fôlego;

Na estrada era seguro e eficiente em ultrapassagens e retomadas, em altas rotações o motor se mantinha estável e com um torque suave;

O câmbio, era um show  parte, com engastes precisos, macios e com relações curtas, dando um ar todo esportivo nas trocas de marchas;

Em curvas de alta era estável, mesmo com piso molhado;

O ponto negativo continuava sendo a suspensão dianteira, com muita potência qualquer aceleração a mais no arranque, ele cantava pneus com facilidade.

Acabamento Externo

Frente com faróis retangulares, boleados na borda inferior, embutido em um mesmo conjunto com a seta;

Para – choques envolventes que estende até a grade de ar do motor servindo como uma moldura;

Grade de ar, preta com frisos na horizontal;

Faróis de neblina embutido no para – choque dianteiro;

Friso lateral na cor do carro em toda extensão das portas;

Maçanetas na cor do carro;

Retrovisores panorâmicos na cor do carro, com controle elétrico interno;

Rodas de liga – leve 1985/65 R14;

Lanternas traseira, chanfradas, bi partidas;

Logo 2.0 Mi na tampa do porta – malas.

Acabamento Interno

Painel com mostradores modernos e de fácil visualização + conta giros;

Volante de 4 raios, anatômico, estilo executivo;

Acendedor de cigarros e cinzeiro no console;

Rádio toca fitas digital AM/FM;

Vidros elétricos nas 4 portas;

Travas elétricas;

Travamento central das portas;

Ajuste elétrico dos retrovisores;

Ventilador;

Ar – condicionado;

Ar – quente;

Acabamento das portas em vinil, e tecido aveludado;

Bancos em fino tecido aveludado;

Encosto de cabeça para 4 ocupantes;

Apoio para o braço no banco traseiro;

Assoalho e porta – malas acarpetados.

Ficha Técnica – Volkswagen Santana 2.0 Mi Confortline 2003

Carroceria sedã;

Porte Médio;

4 portas;

Motor AP 2.0 Segunda geração;

Cilindros 4 em linha;

Longitudinal;

Tuchos Hidráulicos;

Tração dianteira;

Combustível Gasolina;

Injeção multiponto;

Direção Hidráulica;

Câmbio manual de 5 marchas;

Embreagem monodisco a seco;

Freios a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso 1095 KG;

Potência 114 CV;

Potência Máxima 5250 RPM;

De 0 a 100 – 10,3 Segundos;

Velocidade máxima 186 KM/h;

Consumo Consumo na Cidade 9,1 KM/L – Estrada 13,5 KM/L;

Porta malas 413 Litros;

Carga útil Não informado;

Tanque de combustível 72 Litros;

Preço atualizado Não informado;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária.

Motor Tudo – Volkswagen Santana 2.0 Mi Confortline 2003

Carros Clássicos Brasil –  Volkswagen Santana

1 thought on “Volkswagen Santana 2.0 Mi Confortline 2003 chegando a quase 190 KM/h reais

  1. Rodrigo Martiniano. disse:

    Um carro muito sensacional, tanto assim que prossegue na China. De fato, a frente leve “decolava”, mas, era simples solucionar o problema, através de um par de molas baixas FABRINI ( https://www.rassini-nhk.com.br/ ), por cerca de R$200,00 – à época / anos 2000.
    Adiantando-me ao redator desta matéria, um Santana deste podia ultrapassar 200 km / h (“de cabeça pra baixo” / descendo serras) facilmente.
    E, vale a pena escrever alguma coisinha sobre o motor AP deste carro, aliás, também sobre o motor GM 2.0 do Astra (não sou exatamente ‘versado’ em GM): creio que, dificilmente, a despeito da tecnologia atual, volte-se a fabricar motores tão CONFIÁVEIS como o AP da Volkswagen e o GM 2.0 do Astra.
    Hoje o tema é não poluir e economizar, o que está certíssimo. Meu up! I MOTION conseguiu a marca de 19,1 km / l com álcool aditivado, etanol, conforme chamam o combustível atualmente, nome químico do C2H5OH: pena que aqui – no comentário – não é possível publicar fotos.
    Vale ainda tecer mais três comentários:
    (1º) nossos carros FLEX, devemos ao ínclito Professor Cel Urbano Ernesto Stumpf ( https://pt.wikipedia.org/wiki/Urbano_Ernesto_Stumpf ), meu professor, quando estagiário de Engenharia no CTA (bem entendido, sou formado pela UFMG).
    (2º) meu up! fez sim 19,1 km / l com álcool aditivado (NA REALIDADE FORAM 19,3 – MAS EU PAREI PARA FOTOGRAFAR O COMPUTADOR DO CARRO / DAÍ A MARCA BAIXOU / tenho a foto). Bem, fez mesmo; entretanto, se eu usar (abusar) do up! como usei (abusei) do meu Gol GTI ‘bolinha’ – também a álcool / motor AP 2.0 a álcool injetado ‘4 bicos’ – o up! “quebraria”.
    (3º) peço ao nobre administrador deste site tão memorável, já que acesso a carros raros é o mote, para encontrar um Gol GTI “bolinha” a álcool, injetado – EVIDENTEMENTE – como todos os que foram fabricados eram, e fazer matéria sobre o INCRÍVEL GOL GTI a ÁLCOOL, um carro com arrancada parecida (PARECIDA) com a da Yamaha “viúva negra”, a RD350 dos bons tempos, quando nós, montados nelas, “ENFUMAÇAVAMOS” os Dojões e os Opalas.
    Rodrigo MARTINIANO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *