Peugeot 406 Coupe 3.0 V6 24V 1998 mais um importado que tentou a sorte no Brasil

Compartilhe

Citroën AX GTi, Mazda MX3, Fiat Coupe, Chrysler Neon, Chevrolet Calibra e Peugeot 406 Coupe, a série de esportivos, que tentaram a sorte no Brasil, e basicamente tiveram o mesmo fim

A trajetória do modelo cupê da montadora francesa, na verdade começou com o Peugeot 405 sedã, no início da década de 1990, com um marketing forte, mas nada verdadeiro.

A montadora prometia um modelo, com a mesma qualidade e itens de conforto e segurança das marcas de elite, como BMW, Audi e Mercedes Benz, a preço de carro nacional. Mas na prática entregava o sedã 405, a um preço bem salgado, com manutenções a preços estratosféricos. O pior era que, a qualidade do carro, estava bem abaixo dos sedãs nacionais, Chevrolet Monza, Chevrolet Omega, Fiat Tempra e Volkswagen Santana.

No início da década de 1990, um gerente de vendas, de uma concessionária Peugeot, do litoral paulista, disse a seguinte frase “Os modelos Peugeot, são o futuro da indústria automobilística brasileira. Colocarão fim nas montadoras, Volkswagen, Ford, Fiat e Chevrolet”. Meses depois com as carroças francesas circulando nas ruas, a frase se tornou uma grande piada na região litorânea.

O recomeço da montadora no final da década de 1990

O projeto Peugeot 406, tanto nas carrocerias, sedã como cupê, como o nosso Peugeot 406 Coupe 3.0 V6 24V 1998, aqui da matéria, finalmente trouxeram, a qualidade, e a eficiência, de um modelo de elite.

Na configuração, Peugeot 406 Coupe, foi desenvolvido na Carrozzeria Pininfarina. O modelo entregava um visual fantástico, controle de tração e estabilidade, além de um leque de instrumentos, de conforto e segurança, dignos de um esportivo europeu.

Utilizando o motor ES9J4 3.0 V6 24V, beirava os 240 km/h de velocidade final real, com aceleração de 0 a 100 em ótimos 7,9 segundos. Um verdadeiro puro sangue europeu.

Como todo esportivo, de alto custo aqui no Brasil, as vendas foram modestas, custando em média R$ 198.752,00.

A versão sedã, tinha um preço bem mais em conta, entregava menos equipamentos, e acabou emplacando um número de unidades bem mais significativa, sobrevivendo no mercado até o início dos anos 2000.

Desempenho – Peugeot 406 Coupe 3.0 V6 24V 1998

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, dava ao carro uma ótima estabilidade, além do projeto ter sido muito bem desenvolvido, o carro era equipado com controle de tração e estabilidade.

O motor – Equipado com o motor ES9J4 3.0 V6 24V entregava ótimos 194 cv com torque máximo de 27,3 kgfm a 4000 rpm, era rápido e confiável.

Câmbio –  Tanto nas configurações com câmbio manual ou automático, era muito eficiente.

Retomadas e ultrapassagens – Mesmo sendo um modelo que pesava 1458 kg, era rápido e eficiente, com aceleração de 0 a 100 em 7,9 segundos.

Consumo –  Para um motor 3.0 V6 24V com injeção multiponto a gasolina fazer 6,5 km/l na cidade, estava dentro do esperado para a época, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Conjunto de lentes embutido em peça única, acompanhando o desenho da carroceria;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor da carroceria;

Faróis de neblina – Embutidos no para – choque;

Grade de ar do motor – Discretamente embutida abaixo do capô, com larga entrada de ar abaixo do para – choque;

Retrovisores Externos – Panorâmicos na cor preto, com controle elétrico interno;

Frisos – Emborrachado em toda a extensão lateral do carro;

Rodas – 215/55 R16;

Maçanetas – Na cor da carroceria;

Logo – “406”, Na tampa do porta–malas;

Lanterna Traseira – Bicolor com luz de ré, acompanhando as linhas da carroceria;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com diversos mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em couro e vinil, em tons grafite;

Volante – Espumado de quatro raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em couro;

Acabamento das portas – Em couro;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Com cinto de segurança de três pontos e encosto de cabeça, para dois passageiros;

Encosto de cabeça – Para quatro passageiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Peugeot 406 Coupe 3.0 V6 24V 1998

Carroceria – Cupê;

Porte – Grande;

Portas – 2;

Motor –  ES9J4 3.0 ;

Cilindros – 6 em V;

Válvulas por cilindro – 4;

Posição – Transversal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 194 cv;

Peso Torque – 53,4 kg/kgfm;

Cilindrada – 2946 cm³;

Torque máximo – 27,3 kgfm a 4000 rpm;

Potência Máxima – 5500 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Injeção Multiponto;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Automático de 4 marchas com alavanca no assoalho;

Embreagem – Conversor de torque;

Freios – ABS – Disco ventilado nas rodas dianteiras e disco rígido nas rodas traseiras;

Peso – 1458 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Independente, multibraço – Mola helicoidal;

Comprimento – 4615 mm;

Distância entre-eixos – 2700 mm;

Largura – 1780 mm;

Altura – 1354 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 7,9 Segundos;

Velocidade máxima – 235 km/h;

Consumo: Cidade 6,5 km/l – Estrada 9,7 km/l;

Autonomia: Cidade 455 km – Estrada 679 km;

Porta malas – 390 Litros;

Carga útil – 369 kg;

Tanque de combustível – 70 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 198.752,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe uma resposta