O primeiro Monza GL 2.0 1994 se você pensa que era um pé boi, esta muito enganado

Compartilhe

A versão Monza SL sai de cena, e chega a nova versão básica do médio da Chevrolet, o Monza GL 2.0 1994, não foi apenas a nomenclatura que mudou a nova versão, mas também ganho e série, direção hidráulica, cintos de segurança de três pontos nos bancos traseiros, além de travas e vidros elétricos.

Os anos entre 1994 e 1996, as montadoras já se preparavam para o fim a guerra dos médios, que durou durante toda a década de 1980, VW Santana, Ford Del Rey, Chevrolet Monza e Ford Escort, protagonizaram uma batalha, que entrou para a história dos colecionadores e amantes de carros clássicos.

Em 1990 o Monza ainda na configuração quadrada, teve seu primeiro tombo significativo nas vendas, com apenas 55.412 unidades emplacada, no primeiro ano do Monza Tubarão em 1991, as vendas não alavancaram com apenas 59.030 veículos vendidos. Mas em 1993 veio fôlego tão esperado, com 66.664 carros comercializados, no ano seguinte a montadora conseguiu manter o mesmo patamar de vendas, e a versão Monza GL 2.0 1994, foi uma das mais emplacadas.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, dava ao carro uma ótima estabilidade, a Chevrolet incrivelmente conseguia unir, maciez e eficiência, em uma mesma suspensão.

O motor – Equipado com o motor Chevrolet 2.0 a gasolina entregava ótimos 110 cv, com torque máximo de 16,6 kgfm a 3200 rpm, era eficiente e confiável. Com velocidade final 172 km/h.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidades, era de engates macios e precisos, em trocas mais rápidas de marcha, se mantinha eficiente.

Retomadas e ultrapassagens – Mesmo sendo um modelo que pesava 1105 kg, era rápido e eficiente com aceleração de 0 a 100 em 11,7 segundos.

Consumo –  Para um motor 2.0 com injeção monoponto a gasolina, fazer 8,0 km/l na cidade, estava dentro do esperado para a época. Mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Trapezoidais com luz de longo alcance na mesma lente;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor grafite;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Em lâminas na horizontal;

Retrovisores Externos – Panorâmicos na cor grafite, com controle mecânico interno;

Frisos – Emborrachado em toda a extensão lateral do carro, com o logo “2.0 E.F.I”;

Rodas – 185/70 R13;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “Monza GL”, Na tampa do porta–malas;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor grafite com um fino friso metálico;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Em lâminas na horizontal;

Retrovisores Externos – Panorâmicos na cor grafite, com controle elétrico interno;

Frisos – Emborrachado em toda a extensão lateral do carro, com o logo Monza SL/E;

Rodas – 185/70 R13;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “2.0 E.F.I”, Na tampa do porta–malas;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em vinil em tons cinza e grafite;

Volante – Espumado de dois raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado –N/D;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Mecânico interno;

Acabamento dos bancos – Em tecido aveludado;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Sim;

Banco traseiro – Com cinto de segurança e três pontos;

Encosto de cabeça – Vazado para dois passageiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Monza GL 2.0 1994

Carroceria – Sedã;

Porte – Médio;

Portas – 4;

Motor –  Chevrolet Família II 2.0;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Transversal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 110 cv;

Peso Torque – 66,6 kg/kgfm;

Cilindrada – 1998 cm³;

Torque máximo – 16,6 kgfm a 3200 rpm;

Potência Máxima – 5600 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Injeção Monoponto;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e disco rígido nas rodas traseiras;

Peso – 1105 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo de torção – Mola helicoidal;

Comprimento – 4493 mm;

Distância entre-eixos – 2574 mm;

Largura – 1668 mm;

Altura – 1346 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 11,7 Segundos;

Velocidade máxima – 172 km/h;

Consumo: Cidade 8 km/l – Estrada 12,8 km/l;

Autonomia: Cidade 456 km – Estrada 730 km;

Porta malas – 565 Litros;

Carga útil – 475 kg;

Tanque de combustível – 57 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 107.249,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Deixe uma resposta