Monza S/R 1.8S 86 chega ao mercado o esportivo médio da Chevrolet

Compartilhe

Desde o ano de 1983 a guerra dos esportivos médios e compactos estava declarada, Escort XR3, Uno 1.5R, Gol GT 1.8 e Passat GTS Pointer, mas a Chevrolet ainda estava fora de uma das fatias mais interessantes do mercado.

O compacto Chevette já não atendia mais as expectativas para um esportivo, mesmo sendo um modelo muito equilibrado e com tração traseira, o conjunto motor e câmbio estava longe de ser ágil.

A solução foi transformar seu médio de luxo em um glamouroso e eficiente esportivo, nasce o Monza S/R 1.8S 86, com um visual esportivo e um acabamento interno impecáveis.

Equipado com o motor Chevrolet família II 1.8S de 106 cv, torque máximo 15,6 kgfm, uma suspensão traseira mais rígida e um câmbio de relações mais curtas, que dava ao carro uma dirigibilidade bem esportiva, e uma aceleração muito mais rápidas.

O acabamento interno era o melhor da categoria, oferecendo equipamentos de série e opcionais que a maioria dos carros nacionais ainda não dispunham, como trio elétrico e opcionais para ar-condicionado e direção hidráulica.

Desempenho

Estabilidade –  Ao contrário do irmão sedã três volumes que tinha uma excelente estabilidade, a versão hatch do Monza sofria do chamado efeito flutuante, “peso mal distribuído”, traseira muito leve e frente muito pesada, tendendo a sair de traseira em curvas de alta, o problema foi minimizado na versão esportiva com amortecedores mais rígidos.

Motor –  O motor 1.8 da família Monza era eficiente, confiável e atendia bem as expectativas para um esportivo brasileiro. As únicas mudanças como o câmbio já citado, o escapamento também recebeu atenção especial, com um motor muito silencioso e com um torque suave, foi necessário a adaptação de um diâmetro maior na saído para um ronco diferenciado.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidades, era de relações curtas, de engates precisos, deixando o carro divertido de dirigir.

Retomadas e ultrapassagens – Eficiente e seguro, mas o peso de 1100 kg para um médio deixava o desempenho um pouco abaixo do esperado, mesmo assim no ano de 1986, superava facilmente o Escort XR3 e o Uno 1.5R.

Consumo –  Na versão a álcool fazia 7,1 km/l na cidade, um consumo considerado dentro dos padrões para um modelo médio com motor 1.8.

Acabamento Externo

Faróis –  Faróis chanfrados nas extremidades de lentes planas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono e cor grafite, e um fino friso na cor vermelha dando um ar mais esportivo;

Faróis de neblina – Posicionados abaixo do para-choque;

Grade de ar do motor – Em lâminas na horizontal na cor grafite;

Retrovisores Externos – Panorâmicos pintado na cor da carroceria, com controle elétrico interno;

Frisos – Emborrachado com o logo “Monza S/R” e detalhes em vermelho em toda a extensão do carro;

Rodas – De liga – leve exclusivas 195/60 R14;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “1.8/S”, Na tampa do porta – malas;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil em tons grafite;

Volante – Espumado de quatro raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Opcional;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Interno elétrico;

Acabamento dos bancos – Em tecido, estilo poltrona, Recaro;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido aveludado;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Sim;

Banco traseiro – Bipartido;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros nos bancos dianteiros com regulagem de altura;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Monza S/R 1.8S 86

Carroceria – Hatch;

Porte – Médio;

Portas – 2;

Motor –  Chevrolet Família II 1.8S;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Transversal;

Combustível – Álcool;

Potência – 106 cv;

Peso Torque – 70,51 kg/kgfm;

Cilindrada – 1796 cm³;

Torque máximo – 15,6 kgfm a 4000 rpm;

Potência Máxima – 5600 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples – Opcional hidráulica;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1100 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo de torção – Mola helicoidal;

Comprimento – 4264 mm;

Distância entre-eixos – 2574 mm;

Largura – 1668 mm;

Altura – 1349 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 12,1 Segundos;

Velocidade máxima – 172 km/h;

Consumo: Cidade 7,1 km/l – Estrada 11,1 km/l;

Autonomia: Cidade 433,1 km – Estrada 677,1 km;

Porta malas – 448 Litros;

Carga útil – 450 kg;

Tanque de combustível – 61 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 123.208,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

About the author

Comments

  1. Melhor esportivo daquele ano: estável, confortável e equipado. Desejado por muitas pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *