Mercedes Benz 560 SEL 1986 Um sedã 4 portas com velocidade final de 240 km/h

Compartilhe

Em 1986, o Brasil se despedia de seu único modelo nacional com jeito de importado, o Alfa Romeu 2300, a solução para os empresários, era importar Mercedes Benz dos país vizinhos

Para muitos, a versão Mercedes Benz 560 SEL 1986, foi o símbolo na década de 1980, que consolidou a empresa como a montadora que produzia os carros mais robustos, luxuosos e caros do mundo, ficando atrás apenas da marca Rolls-Royce.

Equipada com um poderoso e robusto motor V8 de 279 cv, atingia velocidade final de 240 km/h, com aceleração de 0 a 100 em apenas 7,2 segundos, mesmo pesando quase duas toneladas, tinha uma impressionante velocidade de cruzeiro.

Em 1986, com o fim da produção do Alfa Romeo 2300, muitos empresários se manifestaram através de jornais e revistas automotivas da época, dizendo que, a solução para ter um modelo mais próximo possível dos europeus, seria importando Mercedes Benz de países vizinhos, como Uruguai e Paraguai.

Trazer um modelo zero km direto da Alemanha, era uma missão quase impossível, até mesmo para os maiores empresários brasileiros, o preço do carro convertido para a nossa moeda da época, somados aos estratosféricos impostos, e propinas, para consolidar a importação, tornavam o negócio inviável.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, dava ao carro uma ótima estabilidade, a Mercedes-Benz incrivelmente conseguia unir, maciez e eficiência, em uma mesma suspensão.

O motor – Equipado com o motor V8, Cód 117.968 de 5547 cm3, 279 cv, era eficiente e confiável. Com uma ótima velocidade de cruzeiro, se mantendo estável por longos períodos em velocidades acima de 180 km/h.

Câmbio –  O câmbio automático de 4 marchas, trazia uma nova tecnologia, ainda longe da nossa realidade, sem trancos nas trocas, e exigindo pouca manutenção.

Retomadas e ultrapassagens – Mesmo sendo um modelo que pesava 1810 kg, era rápido e eficiente com aceleração de 0 a 100 em 7,2 segundos.

Consumo –  Para um motor V8, com injeção eletrônica, fazer 6 km/l na cidade, estava dentro do esperado para a época, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Quadrados chanfrados nas extremidades, de lentes planas, regulagem elétrica de altura e limpador de lentes;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes, na cor cinza e detalhes cromados;

Faróis de neblina – Não, utiliza luz de longo alcance embutidos na mesma lente dos faróis;

Grade de ar do motor – Cromada, tradicional Mercedes-Benz sedã;

Retrovisores Externos – Panorâmicos na cor cinza, com controle elétrico interno;

Frisos – Largo friso lateral, na cor cinza;

Rodas – de liga leve 215/65 R15;

Maçanetas – Na cor grafite e detalhes cromados;

Logo – “560 SEL”, Na tampa do porta–malas;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Sim;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com diversos mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em couro e madeira;

Volante – Espumado de quatro raios, com acabamento em couro;

Sistema de som – Rádio toca fitas, digital, com memória Mercedes Benz;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Analógico;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico nas 4 portas;

Sistema de travamento das portas – Elétrico central;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em couro, com ajuste elétrico;

Acabamento das portas – Em couro e madeira;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Sim;

Banco traseiro – Com apoio para o braço, encosto de cabeça cinto de segurança de três pontos, para dois passageiros;

Encosto de cabeça – Para quatro passageiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Mercedes Benz 560 SEL 1986

Carroceria – Sedã;

Porte – Grande;

Portas – 4;

Motor –  Cód 117.968 5.6;

Cilindros – 8 em V;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 279 cv;

Peso Torque – N/D kg/kgfm;

Cilindrada – 5547 cm³;

Torque máximo – 43 kgfm a 4750 rpm;

Potência Máxima – 5200 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Injeção eletrônica – MPI – Bosch KE-Jetronic 3.1;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Automático de 4 marchas com alavanca no assoalho;

Embreagem – Conversor de torque;

Freios – A disco ventilado nas rodas dianteiras e disco sólido nas rodas traseiras;

Peso – 1810 kg;

Suspensão dianteira – Independent. mcpherson. coil springs. anti-roll bar;

Suspensão traseira – Multilink. coil springs. anti-roll bar;

Comprimento – 5160 mm;

Distância entre-eixos – 3080 mm;

Largura – 1820 mm;

Altura – 1450 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 7,2 Segundos;

Velocidade máxima – 240 km/h;

Consumo: Cidade 6 km/l – Estrada 8,5 km/l;

Autonomia: Cidade N/D km – Estrada N/D km;

Porta malas – 510 Litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível – 90 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 682.892,00 – Se considerar as taxas de importações da época + a hiperinflação da década de 1980, o valor ultrapassa facilmente R$ 1.2000.000.00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Deixe um comentário