Kombi corujinha 73 com teto solar puro bom gosto

Durante as décadas de 1960 e primeira metade da década de 1970, foi considerado um utilitário popular, hoje um dos modelos mais caros e colecionáveis

No mercado das vans antigas, a Kombi Corujinha foi basicamente o único modelo produzido em solo brasileiro entre as décadas de 1950 e 1970, mesmo em em uma categoria diferente, enfrentou as poderosas Veraneio e Rural Willys.

O mercado para utilitários médios de transporte de passageiros, estava posicionado da seguinte maneira, de um lado as poderosas SUV, Chevrolet Veraneio um modelo direcionado a um mercado mais selecionado e a diversos seguimento de serviços públicos, municipais, estaduais e federal.

O outro SUV era o Rural willys / Ford que além de oferecer tração 4 x 4 tinha o DNA do Jeep Willys da segunda guerra mundial, direcionado para a zona rural e transporte de pessoal em regiões inóspitos como manguezais e atoleiros.

O modelo Volkswagen Kombi Corujinha, era uma van direcionada ao transporte de pessoal na área urbana, com um custo mais baixo e manutenção de baixo custo e descomplicada, virou febre nacional.

O modelo 1973 ganhou novo up grade em sua estrutura, volante de motor maior e nova embreagem com guia de rolamento, cubo do volante mais largo e chave de seta em plástico.

Desempenho

Estabilidade – O conjunto carroceria, chassi e suspensão, era relativamente eficiente, considerando a tecnologia da época. Em curvas de alta com o piso molhado era sempre bom o motorista ficar atendo a saídas de pista, mas em um país onde a grande maioria das vias eram de ruas estreitas de paralelepípedo ou de chão batido, ela tinha a suspensão ideal.

Motor – O motor Volkswagen Boxer 1500, entregava o desempenho suficiente para o transporte de passageiros na área urbana.

Câmbio –  O câmbio de 4 velocidades não era dos mais eficiente, cumpria bem seu papel como um utilitário, mas após 12 ou 24 meses de uso a alavanca do câmbio apresentava folga, encaixes imprecisos ou impossíveis.

Retomadas e ultrapassagens – Para um utilitário das décadas de 1960 / 1970, cumpria seu papel, mas com carga máxima de 970 kg, era bom negociar bem as ultrapassagens.

Consumo –  Para um motor de 4 cilindros ainda com tecnologia da década de 1970 fazer 5 ou 6 km/l na cidade era considerado dentro do esperado.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos de lentes boleadas, embutidos em uma moldura cromada.

Setas dianteiras – Embutidas acima dos faróis;

Para – choques –  Em aço carbono, estilo cabide, na cor branca;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Entrada de ar forçada pelas laterais;

Retrovisor Externo – Redondo cromado com haste;

Frisos – cromado com detalhes em vermelho em toda a extensão do veículo;

Rodas – Rodas de aço tradicionais da família Kombi pintadas na cor da carroceria, e calotas cônicas cromadas;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “1500” Na tampa do motor;

Lanterna Traseira – Bicolor sem luz de ré;

Bagageiro – Sim;

Teto Solar – Sim;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em metal na cor da branca;

Volante – De plástico injetado de dois raios branco;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Opcional;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – N/D;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em couro;

Acabamento das portas – Em vinil;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Emborrachado;

Porta-malas – Emborrachado.

Ficha Técnica – Kombi Corujinha 73

Carroceria – Van;

Porte – Médio;

Portas – 4;

Motor – VW 1500 Boxer;

Cilindros – 4 opostos horizontalmente;

Posição – Longitudinal;

Peso Torque – 123,08 kg/kgfm;

Tração – Traseira;

Combustível – Gasolina;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 4 velocidades, alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Tambor nas quatro rodas;

Peso – 1120 kg;

Comprimento – 4300 mm;

Distância entre-eixos – 2400 mm;

Potência – 52 CV;

Cilindrada – 1493 cm³;

Torque máximo – 9,1 kgfm a 2600 rpm;

Potência Máxima – 4200 RPM;

Aceleração de 0 a 100 – 46 Segundos;

Velocidade máxima – 109 km/h;

Consumo: Cidade 5 KM/L – Estrada 6,6 km/l;

Autonomia: Cidade 215 km – Estrada 283,8 km;

Porta malas – 750 Litros;

Carga útil – 970 kg;

Tanque de combustível – 43 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 82.196,00.

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Please follow and like us:

Um comentário sobre “Kombi corujinha 73 com teto solar puro bom gosto”

  1. Essas de teto solar foram produzidas no Brasil ?

Deixe uma resposta