Jaguar XJ Daimler Sovereing 1974, um descendente direto da realeza inglesa

Compartilhe

Durante a década de 1970, Mercedes Benz, Rolls Royce, e a inglesa Jaguar, travavam uma batalha pelo topo, na hierarquia dos modelos de luxo mais requintados e caros do mundo, e o Jaguar XJ Daimler Sovereing 1974, fez parte dessa história.

A montadora inglesa, tinha como ponto alto de seus carros de luxo o modelo XJ Daimler Sovereign. A empresa Daimler Company, era fornecedora exclusiva de veículos para o monarca britânico, detentora dos carros mais caros e luxuosos do mundo. Mas em 1950 perdeu o posto de realeza para a poderosa Rolls Royce. Em 1960 a Jaguar comprou a empresa e continuou usando o nome em seus carros top de linha.

O Jaguar XJ Daimler Sovereing, é um grande exemplo, um dos modelos mais caros da montadora na época, com valores muito próximos da concorrente Rolls Royce.

O modelo trazia de série, rodas e calotas exclusivas estilo Daimlerm grade de ar do motor em inox com visual diferenciado dos demais modelos da montadora. No acabamento interno a qualidade dos itens e o bom gosto, são considerados acima da média até mesmo para os padrões de hoje. A forração interna é em couro connolly branco, o painel é em madeira e couro preto.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto do projeto, mesmo sendo desenvolvido com tecnologia do início da década de 1970, conseguia unir com extrema eficiência, uma suspensão muito macia e ao mesmo tempo bastante equilibrada, tanto na cidade, como na estrada em altas velocidades.

Motor –  Utilizando o motor Jaguar 4.2 de 6 cilindros, era robusto, confiável e com um giro bastante estável mesmo em altas rotações. Robustez, maciez e eficiência, eram suas marcas registradas.

Câmbio –  O câmbio manual de 4 marchas com opção + E, era um dos pontos fortes do carro, o casamento perfeito com um motor rápido e macio.

Retomadas e ultrapassagens – Com um motor elástico com muito fôlego, que respondia muito bem ao pedal do acelerador, era seguro e confiável, mesmo com 5 adultos e porta-malas cheio, praticamente não perdia o fôlego.

Consumo –  Definitivamente era o item que menos o proprietário pensava, com um modelo de alto custo na garagem, fazer 4,5 km/l na cidade, estava dentro dos padrões para a época. Mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Duplos na horizontal redondos de lentes boleadas, embutidos em uma moldura cromada;

Setas dianteiras – Embutidas abaixo dos para-choques;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono cromadas;

Faróis de neblina – Sim;

Grade de ar do motor – Tradicional em aço inox nobre;

Retrovisores Externos – Satélites, com controle elétrico interno;

Frisos – Não;

Rodas – Tradicionais cromadas Daimler;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “Daimler” na tampa do porta-malas;

Lanterna Traseira – Bicolor, luz de ré posicionada abaixo da tampa do porta-malas;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com diversos mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em couro e madeira, raiz de nogueira;

Volante – De dois raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Analógico;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Couro Connolly;

Acabamento das portas – Em couro Connolly e detalhes cromados;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Em couro Connolly, com apoio para o braço;

Encosto de cabeça – Para 2 passageiros, com regulagem de altura nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Jaguar XJ Daimler Sovereing 1974

Carroceria – Sedã;

Porte – Grande;

Portas – 4;

Motor –  4.2;

Cilindros – 6;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 165 cv;

Peso Torque – – kg/kgfm;

Cilindrada – 4235 cm³;

Torque máximo – 30,9 kgfm a 3000 rpm;

Potência Máxima – 5200 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Dois carburadores;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 4 marchas + E, com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freios ABS a disco ventilado nas 4 rodas;

Peso – 1950 kg;

Suspensão dianteira – Independente, braços sobrepostos – Molas helicoidal;

Suspensão traseira – Independente, braços sobrepostos – Molas helicoidal;

Comprimento – 5024 mm;

Distância entre-eixos – 2870 mm;

Largura – 1799 mm;

Altura – 1314 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 9,2 Segundos;

Velocidade máxima – 185 km/h;

Consumo: Cidade 4,7 km/l – Estrada 7,4 km/l;

Autonomia: Cidade 381 km – Estrada 599 km;

Porta malas – 410 Litros;

Carga útil – kg;

Tanque de combustível – 81 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 695.990,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário