Guerra dos esportivos carburados no início da década de 1990

Compartilhe

No início da década de 1990 a guerra dos compactos e médios esportivos ainda estava bastante aquecida, e os modelos carburados travavam uma batalha bastante interessante.

Com preços mais em conta, em relação as versões injetadas, e na visão dos fãs de esportivos os modelos ainda com carburadores eram mais confiáveis e robustos.

Para a surpresa de muitos, o modelo da montadora italiana o Fiat Uno 1.6R se igualava ou superava em desempenho praticamente todos os seus concorrentes.

Fiat Uno 1.6R 1991

Porte Compacto

Potência e desempenho

Torque Máximo 13,2 kgfm a 3200 rpm;

Potência Máxima 84 cv a 5700 rpm;

Velocidade final – 160 km/h;

Aceleração de 0 a 100 em 11,4 segundos;

Consumo – Combustível gasolina – Cidade 9,5 km/l – Estrada 14,1 km/l.

Equipamentos e conforto

Oferecia Opcional para ar- condicionado e trio elétrico, além do cinto de segurança de três pontos para dois passageiros no banco traseiro.

Pontos positivos

Muito eficiente em curvas de alta e em retas em velocidades acima de 150 km/h se mantinha estável sem balanços.

Os botões e alavancas do painel eram muito bem posicionadas, estando perto das mãos do motorista.

Pontos negativos

A suspensão muito rígida, tirava o conforto dos passageiros e o câmbio mesmo sendo eficiente tinha engates menos precisos em trocas rápidas de marchas, cansando o motorista em viagens longas.

Outro ponto negativo, era o baixo desempenho e o considerável aumento do consumo com o carro mais pesado, com quatro adultos ou porta malas cheio.

Valor atualizado aproximado zero km para 2020 – R$ 71.569,00;

Escort XR3 CHT 1.6

Porte Médio

Potência e desempenho

Torque Máximo 12,9 kgfm a 4000 rpm;

Potência Máxima 86,1 cv a 5600 rpm;

Velocidade final – 157 km/h;

Aceleração de 0 a 100 em 13,1 segundos;

Consumo – Combustível Álcool – Cidade 6,7 km/l – Estrada 10,6 km/l.

Equipamentos e conforto

Oferecia de série trio elétrico e opcional para ar- condicionado e direção hidráulica.

Pontos positivos

Um visual esportivo arrasador e um acabamento interno e externo de alto nível.

Os botões e alavancas do painel eram muito bem posicionadas, estando perto das mãos do motorista.

Pontos negativos

Sofria do chamado efeito flutuante, onde o peso do conjunto carroceria e chassi não é bem distribuído, deixando o carro instável em curvas de alta e em retas em altas velocidades. Aliado a uma suspensão muito macia, a tendência em sair de traseira ficava ainda mais evidente.

Outro ponto negativo, era o conjunto motor e câmbio, foi o esportivo nacional de menor desempenho no início da década de 1990.

Valor atualizado aproximado zero km para 2020 – R$ 82.198,00;

Escort XR3 AP 1.8 – 1991

Porte Médio

Potência e desempenho

Torque Máximo 16 kgfm a 3000 rpm;

Potência Máxima 97 cv a 6000 rpm;

Velocidade final – 167 km/h;

Aceleração de 0 a 100 em 11,8 segundos;

Consumo – Combustível gasolina – Cidade 9,2 km/l – Estrada 14,1 km/l.

Equipamentos e conforto

Oferecia de série trio elétrico , ar – condicionado e direção hidráulica.

Pontos positivos

Um visual esportivo arrasador e um acabamento interno e externo de alto nível.

Os botões e alavancas do painel eram muito bem posicionadas, estando perto das mãos do motorista.

O conjunto motor e câmbio entregava fôlego e confiabilidade.

Pontos negativos

Mesmo com uma suspensão mais rígida que seu irmão CHT 1.6, a versão 1.8 ainda sofria do chamado efeito flutuante, onde o peso do conjunto carroceria e chassi não é bem distribuído, deixando o carro instável em curvas de alta e em retas em altas velocidades.

Valor atualizado aproximado zero km para 2020 – R$ 95.378,00;

Chevrolet Kadett GS 2.0 – 1991

Porte Médio

Potência e desempenho

Torque Máximo 16,2 kgfm a 3500 rpm;

Potência Máxima 99 cv a 5600 rpm;

Velocidade final – 165,7 km/h;

Aceleração de 0 a 100 em 12,1 segundos;

Consumo – Combustível gasolina – Cidade 8,8 km/l – Estrada 12,8 km/l.

Equipamentos e conforto

Oferecia de série trio elétrico , ar – condicionado e direção hidráulica.

Pontos positivos

Era o modelo com o acabamento mais luxuoso e requintado, mais parecia um carro de luxo.

Ao lado do Fiat Uno, entregava a melhor estabilidade, um conjunto muito bem equilibrado.

Pontos negativos

Era o modelo mais caro e de manutenção de custo mais alto dentro do seguimento.

Também era o esportivo carburado mais pesado do mercado, afetando diretamente seu desempenho, principalmente em acelerações de 0 a 40 e de 0 a 100. O consumo de combustível também era diretamente afetado.

Valor atualizado aproximado zero km para 2020 – R$ 102.752,00;

Volkswagen Gol GTS 1.8S – 1991

Porte Compacto

Potência e desempenho

Torque Máximo 14,7 kgfm a 3600 rpm;

Potência Máxima 97 cv a 5600 rpm;

Velocidade final – 167 km/h;

Aceleração de 0 a 100 em 11,3 segundos;

Consumo – Combustível gasolina – Cidade 9,2 km/l – Estrada 13,5 km/l.

Equipamentos e conforto

Oferecia de série trio elétrico e opcional para ar – condicionado.

Pontos positivos

Acabamento interno com um visual bem esportivo.

O conjunto motor e câmbio, além de ser muito rápido e ágil era confiável e muito robusto.

A estrutura do Gol quadrado ainda era muito eficiente e equilibrada para o início da década de 1990, eficiente em curvas de alta e em retas em velocidades acima de 150 km/h.

Pontos negativos

Oferecia de série poucos equipamentos de luxo e conforto.

Os pedais da embreagem e acelerador eram muito duros.

Valor atualizado aproximado zero km para 2020 – R$ 76.429,00;

Um comentário sobre “Guerra dos esportivos carburados no início da década de 1990”

  1. Excelente matéria. Voltei no tempo.
    Duas correções: o Escort XR3 era AP1.8 desde a linha 1990 e não mais CHT1.6.

Deixe uma resposta