Gol GTS 1.8S 1993/1994 Com Todos os Instrumentos de Um Carro de Luxo

Próximo ao fim da produção, ele ainda era um dos esportivos nacionais mais respeitados, confiável, eficiente e colocaria fim a era dos esportivos carburados

1994 marcava o último ano de produção das versões intermediárias e top de linha do Gol Quadrado, também o fim da geração carburada dos esportivos nacionais, um dos modelos mais robustos e badalados, na versão Gol GTS 1.8 1993/1994.

A Volkswagen foi marcada como a montadora pé de boi até o início da década de 1990, produzia veículos resistentes, de manutenção descomplicada, mas com acabamentos pobres e praticamente sem instrumentos de luxo, mas o GTS entre 1993 e 1994, trazia de série e alguns opcionais, como, ar – condicionado, direção hidráulica, regulagem de altura do banco do motorista, trio elétrico, além de um lindo acabamento interno e externo.

Após o fim da produção das versões esportivas do Gol Quadrado, não foram mais produzidos modelos com visual externo tão esportivo, as novas gerações de compactos não conseguiram retratar no visual o mesmo sucesso de seus antecessores.

Desempenho

O conjunto motor e câmbio VW faziam um combinação perfeita, elástico na cidade e muito bom de estrada;

A confiabilidade também era um dos pontos fortes do GTS, de mecânica simples e descomplicada, o preço da manutenção se tornava bem mais acessível que as versões injetadas;

O câmbio, de relações curtas, era de engates muito precisos e macicos;

A carroceria Gol quadrado, ainda era considerada moderna para a época, aliada a uma suspensão mais rígida, o carro era muito eficiente em curvas de alta mesmo com piso molhado, em retas, em velocidades acima de 160 Km/h se mantinha estável sem balançar;

Outra grande qualidade do Gol GTS 1.8s 1994 que as revistas automotivas da época sempre frisavam, era a incrível capacidade de frenagem, mesmo em altas velocidades em freadas repentinas o carro se comportava muito bem, parando em um curto espaço de tempo, sem travamento desnecessário do sistema, “lembrando que o modelo não usava sistemas ABS”.

Acabamento Externo

Frente com faróis retangulares embutidos em um mesmo conjunto com as setas;

Luzes de longo alcance acima do para-choque dianteiro;

Faróis de neblina embutidos no para-choque dianteiro;

Para-choques envolventes na cor grafite com um friso vermelho dando um visual mais esportivo;

Retrovisores panorâmicos na cor preto, com ajuste elétrico;

Largos frisos esportivas na lateral, na cor e estilo dos para-choques;

Logo GTS na coluna central;

Rodas de liga-leve 185/60 R14;

Saída do escapamento dupla;

Lanternas traseiras Fumê;

Aerofólio preto,

Logo GTS na tampa do porta malas.

Acabamento Interno

Painel com botões satélites, com mostradores de fácil visualização + conta – giros;

Relógio digital;

Volante de quatro raios, o famoso quatro bolas;

Bancos Recaro, em tons cinza xadrez;

regulagem de altura do banco do motorista;

Encosto de cabeça com regulagem de altura;

Acendedor de cigarros;

Cinzeiro;

Ar – quente;

Ventilador de três velocidades;

Vidros e travas elétricas;

Ajuste elétrico dos retrovisores;

Rádio toca fitas digital AM/FM;

Suporte para fitas K7,

Desembaçador elétrico do vidro traseiro;

Vidros verdes;

Breack Light;

Assoalho e porta – malas acarpetados.

Ficha Técnica – Gol GTS 1.8S 1993/1994

Carroceria hatch;

Compacto;

Duas portas;

Motor VW AP 1800S – primeira geração;

Cilindros 4 em linha;

Tuchos mecânicos;

Tração dianteira;

Combustível Gasolina;

Carburador;

Direção Simples;

Câmbio manual de 5 marchas;

Freios a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso 978 KG;

Potência 97 CV;

14,7 kgfm a 3600 rpm

De 0 a 100 – oficialmente 11,3 Segundos;

Velocidade máxima 167 KM/h;

Consumo Cidade 9,2 KM/L Estrada 13,5 KM/L;

Porta malas 146 Litros;

Carga útil 390,

Tanque de combustível 47 Litros.

Motor Tudo – Gol GTS 1.8S 1993/1994

Carros Clássicos Brasil – Gol Quadrado

Deixe uma resposta