Fiat Uno SX 1.0 1997 a primeira geração com injeção eletrônica

Compartilhe

No segundo semestre de 1996 a montadora fez uma rápida experiência com aversão Fiat Uno 1.0 EP com injeção monoponto, e foi um grande sucesso, mas no mesmo ano já como modelo 1997 sai do forno a versão SX, que seria produzida em série com o novo sistema de injeção eletrônica

As versões entre 1994 e 1995, Mille eletronic 1.0 e Mille ELX, já eram modelos mais elásticos, que as primeiras versões do início da década de 1990, mas de eletrônico só levavam o nome, ainda eram modelos carburados. A versão Fiat Uno SX 1.0 1997 foi a primeira versão em série 100% eletrônica, ainda utilizando o sistema monoponto.

Outra novidade, é que a versão Uno SX 1.0 passa a ser equipada de série, com limpador e desembaçador elétrico do vidro traseiro e ar-quente, uma grande novidade para os populares da época.

1997 também marcou mais um bom pico de vendas para o popular da Fiat, com o fim do Gol 1.0 quadrado em 1996, o Chevrolet Corsa e o Gol Bola 1.0 com os preços em alta, o Fiat Uno SX 1.0 1997, volta a ser o líder absoluto dentro do seguimento 1.0.

Desempenho

Estabilidade –  Com a mesma estrutura desde seu lançamento em 1984, era muito eficiente em curvas de alta, e em retas em altas velocidades, mesmo com o piso molhado.

Motor –  Utilizando o motor Fiat Fiasa 1.0, a gasolina de 58 cv, com injeção monoponto, era muito confiável e de manutenção descomplicada.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidade, não tinham engates muito precisos, mas compensava por ser elástico e resistente.

Retomadas e ultrapassagens – O motor Fiasa 1.0 se comportava muito bem, sem falhas, respondia muito bem ao simples toque ao pedal do acelerados, mas como todo carro 1.0, com 5 adultos e porta malas cheio, era sempre bom negociar bem as ultrapassagens.

Consumo –  Para um motor 1.0 a gasolina, de um carro que pesava 883 kg, fazer 8,5 km/l na cidade, era dentro do esperado para a época. O ponto negativo ficava para o consumo com o carro pesado, três adulto e porta malas cheio, consumia bem mais que os esperado. Mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Retangular de lentes planas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor grafite;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Em lâminas de plástico na horizontal na cor da carroceria;

Retrovisores Externos – Panorâmico com ajuste manual;

Frisos – Fino friso emborrachado em toda a extensão lateral do carro;

Rodas – Rodas de aço 165/80 R13;

Maçanetas – Embutidas, na cor grafite;

Logo – “Uno SX” na tampa do porta malas;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em vinil;

Volante – Espumado de 4 raios;

Sistema de som – Não;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Tecido;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros nos bancos dianteiros, com ajuste de altura;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Fiat Uno SX 1.0 1997

Carroceria – Hatch;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  Fiasa 1.0;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Transversal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 58 cv;

Peso Torque – 107,7 kg/kgfm;

Cilindrada – 994 cm³;

Torque máximo – 8,2 kgfm a 3000 rpm;

Potência Máxima – 6000 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Injeção Monoponto;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 883 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Independente, McPherson – Feixe de molas semielípticos;

Comprimento – 3640 mm;

Distância entre-eixos – 2361 mm;

Largura – 1548 mm;

Altura – 1445 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 17,2 Segundos;

Velocidade máxima – 149,3 km/h;

Consumo: Cidade 8,5 km/l – Estrada 12,2 km/l;

Autonomia: Cidade 383 km – Estrada 549 km;

Porta malas – 290 Litros;

Carga útil – Não informado kg;

Tanque de combustível – 45 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 44.723,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Deixe uma resposta