Fiat prêmio 1988, ano em que o modelo teve seu preço mais salgado

Compartilhe

Fiat Prêmio 1988, atinge o auge do sucesso e aproveita a febre dos compactos de custo intermediários, dispara em vendas e passa a ser o sedã compacto mais caro do mercado ao lado do VW Voyage.

A unidade aqui da nossa matéria, é a versão intermediária CS 1.5, tinha como principais atributos, a agilidade, o baixo consumo de combustível para a categoria, e o baixo nível de ruído interno. Em 1988 o visual dos modelos Fiat, não receberão nenhum upgrade significativo, mas a montadora utilizou uma estratégia simples, que alavancou suas vendas.

No mesmo ano a família VW BX, recebe novo painel e acabamento interno, os preços dos modelos da montadora alemã, foram às alturas, puxando todo o mercado. A Fiat passou a oferecer mais por menos, as versões intermediárias e top de linha eram oferecidas de serie com pintura metálica, conta-giros, 3 anos de garantia contra ferrugem, e com um preço abaixo dos Volkswagen Gol e Voyage.

A montadora ainda oferecia a versão CS com motor 1.3, mas pecava no desempenho principalmente em subidas ou com carga máxima de peso, sem contar que o valor de revenda cai mais que o esperado.

Desempenho

Estabilidade –  Com a mesma estrutura desde seu lançamento em 1985, mesmo compartilhando a plataforma do irmão hatch, não entregava exatamente a mesma estabilidade que o Uno quadrado, o motivo era a aerodinâmica e a má distribuição de peso. O trecho do porta malas fazia com que o carro perdesse o ponto de apoio traseiro em algumas situações.

Motor –  Utilizando o motor Fiat “Sevel 1.5” carburado, era ágil, confiável e de manutenção descomplicada.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidade, não tinham engates muito precisos, mas compensava por ser elástico e resistente.

Retomadas e ultrapassagens – O motor Sevel 1.5 se comportava muito bem, sem falhas, respondia muito bem ao simples toque ao pedal do acelerados.

Consumo –  Para um motor 1.5 a álcool, de um carro que pesava 934 kg, fazer 8,3 km/l na cidade, era dentro do esperado para a época. O ponto negativo ficava para o consumo com carga máxima de 400 kg, três adulto e porta malas cheio, consumia bem mais que os esperado. Mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis – Quadrado de lentes planas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor grafite, com um fino vinco metálico, acompanhando os frisos laterais;

Faróis de neblina – Opcional;

Grade de ar do motor – Em lâminas de plástico na horizontal na cor grafite;

Retrovisores Externos – Panorâmico com ajuste mecânico interno;

Frisos – Emborrachado lateral, com um fino vinco acompanhando os detalhes dos para-choques;

Rodas – Rodas de aço 165/70 R13;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “Prêmio CS” na tampa do porta malas;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Externo e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil;

Volante – Espumado de 2 raios;

Sistema de som – Opcional;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Mecânico interno;

Acabamento dos bancos – Tecido;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros nos bancos dianteiros, com ajuste de altura;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Fiat prêmio 1988 – Na versão CS 1.5

Carroceria – Sedã;

Porte – Compacto;

Portas – 4;

Motor –  Sevel 1.5;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Transversal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 71,4 cv;

Peso Torque – 75,9 kg/kgfm;

Cilindrada – 1498 cm³;

Torque máximo – 12,3 kgfm a 3000 rpm;

Potência Máxima – 5500 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação – Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 934 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Independente, McPherson – Feixe de molas semielípticos;

Comprimento – 4037 mm;

Distância entre-eixos – 2362 mm;

Largura – 1557 mm;

Altura – 1444 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 15,7 Segundos;

Velocidade máxima – 159 km/h;

Consumo: Cidade 8,3 km/l – Estrada 13 km/l;

Autonomia: Cidade 457 km – Estrada 715 km;

Porta malas – 530 Litros;

Carga útil – 400 kg;

Tanque de combustível – 55 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 88.112,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário