Fiat 147 Pick-up City 1987 resistiu ao tempo

Compartilhe

O sucesso de seu lançamento em 1978, surpreendeu a própria montadora.

Quando o Fiat City, chegou ao mercado no final da década de 1970, muita gente torceu o nariz, e se perguntou, para que serviria um utilitário tão pequeno com um motor de baixa potência?

Os nomes variaram durante os anos, Pick-up 147, Fiat City e Fiat Fiorino City. A plataforma também mudou, no início da década de 1980, passou a utilizar o chassi do Fiat Panorama.

Ele tinha tudo para dar errado, carroceria pequena, aparentemente pouca força. E durante a primeira metade da década de 1980, o brasileiro ainda não tinha uma confiança real, na família Fiat 147, mas algo diferente aconteceu….

A Fiat foi genial no estudo de mercado, nos grandes centros, das regiões Sul e Sudeste, e em algumas grandes capitais do nordeste, existia um número gigantesco de micro empresários, lojistas de pequeno porte e profissionais liberais, que precisavam de um utilitário bom no trânsito, ágil, que consumisse pouco combustível e que ocupasse pouco espaço. O Fiat 147 Pick-up City caiu como uma luva.

A porteira foi aberta, de olho no grande sucesso do Fiat City, Volkswagen, Ford e Chevrolet colocaram no mercado, suas picapes compactas.

Durante a década de 1980, tive um grande amigo que era dono de uma pequena frota de caminhões, e o processo de manutenção era constante. Ele utilizava uma D-20 e uma Fiat City para fazer o transporte de peças, blocos de motor, câmbio entre outros, era interessante ver a baratinha da Fiat trabalhando pesado transportando grandes peças de caminhões Mercedes e Scania.

Final da década de 1980 se despede do mercado. Mostrando que um bom planejamento aliado a uma ótima pesquisa de mercado, da bons frutas. Deixou seu legado para o moderno Fiat Fiorino, derivado da plataforma Uno / Elba.

Desempenho – Modelo 1300 a álcool 1987

Estabilidade –  O conjunto carroceria, chassi e suspensão, ainda era considerado eficiente para o ano de 1987, um compacto bom de curvas, e estável em retas em velocidades acima de 120 km/h.

Motor –  Utilizando o motor Fiat Fiasa 1300 de 60 cv, era um dos compactos nacionais, mais ágeis no trânsito, o longo tempo de vida útil do motor, também chamava a atenção.

Câmbio –  O câmbio manual de 4 velocidades, não tinha engates precisos e macios, mas já estava muito mais evoluído, que as versões que equiparam o modelo entre 1976 e 1980.

Retomadas e ultrapassagens – Com dois adultos e pouco peso na carroceria, era eficiente e seguro, mas com carga máxima de 500 kg, perdia fôlego, era bom negociar bem as ultrapassagens.

Consumo –  Para um motor 1300 de 4 cilindros a álcool e 60 cv, fazer 6,7 km/l na cidade, estava dentro do esperado para a época. Mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Faróis quadrados de lentes planas;

Setas dianteiras – Embutidas nos para – lamas dianteiros;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono na cor grafite;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Frisos na horizontal, em lâminas de plástico na cor grafite;

Retrovisores Externos – De plástico com ajuste manual;

Frisos – Emborrachado com detalhes cromados em toda a extensão lateral do carro;

Rodas – Tradicionais da família 147 145/80 R13;

Maçanetas – Cor grafite;

Logo – “Fiat City”, Na tampa da carroceria;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala quadrada;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em vinil e aço;

Volante – Espumado de dois raios;

Sistema de som – Não – O existente na unidade foi instalado pelo proprietário;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – N/D;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em vinil;

Acabamento das portas – Em vinil;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Emborrachado;

Porta-malas – Carroceria de aço, com madeira;

Ficha Técnica – Fiat 147 Pick-up City 1987

Carroceria – Picape;

Porte – compacto;

Portas – 2;

Motor –  Fiasa 1300;

Cilindros – 4 em linha;

Posição – Transversal;

Combustível – Álcool;

Potência – 60 cv;

Peso Torque – 80,1 kg/kgfm;

Cilindrada – 1297 cm³;

Torque máximo – 10 kgfm a 2600 rpm;

Potência Máxima – 5200 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 4 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 801 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Independente, McPherson – Feixe de mola semielipticas;

Comprimento – 3879 mm;

Distância entre-eixos – 2225 mm;

Largura – 1545 mm;

Altura – 1366 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 17,1 Segundos;

Velocidade máxima – 147 km/h;

Consumo: Cidade 6,7 km/l – Estrada 11 km/l;

Autonomia: Cidade 355 km – Estrada 583 km;

Porta malas – 825 Litros;

Carga útil – 500 kg;

Tanque de combustível – 53 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 61.249,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário