Citroën AX GTi 1.4 1995 um compacto quadrado que superou os esportivos nacionais

Compartilhe

Na década de 1990, a batalha pelo mercado dos esportivos compacto e médios, ainda estava bastante aquecida, e a francesa Citroën, fez bonito com seu compacto

Gol GTi, Fiat Uno 1.6R MPi, Corsa GSi e Escort XR3, além de alguns importados, que tentaram a sorte por aqui. O Citroën AX GTi 1.4 1995, se destacava pela velocidade final 190 km/h, e aceleração de 0 a 100 em 9,3 segundos.

O modelo francês conseguia ser mais rápido e ágil que, o Gol Gti Bola 2.0 8V e o Uno 1.6R MPi. O Citroën AX GTi 1.4. Só era superado pelo Corsa GSi 1.6 16V, e pelo Uno 1.4 Turbo, mesmo assim apenas em velocidade final, por 3 km/h em média.

Um desempenho no mínimo respeitável, para um compacto com motor 1.4. Mas também tinha seus pontos negativos.

O pacote de opcionais era o primeiro susto na concessionária, para um modelo recém chegado, que ainda queria mostrar seu valor, itens como ar – condicionado e direção hidráulica, deveriam ser de série, ainda mais para um modelo tão rápido.

O outro ponto negativo, era em altas rotações, o motor Citroën em altas rotações, passava vibração para a carroceria, principalmente com ar – condicionado ligado.

O preço também não era nada atrativo, para quem queria ser visto e querido, no cenário brasileiro. A unidade zero km, sem opcionais não saía da concessionária por menos de R$ 75.702,00, em valores atualizados para o primeiro semestre de 2021.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, dava ao carro uma ótima estabilidade, dentro dos padrões para os modelos, produzidos em solo brasileiro.

Motor –  Utilizando o motor TU3F J2 1.4 a gasolina, era rápido, e muito econômico, mas o preço das manutenções, eram muito altos, fora da realidade dos compactos nacionais.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidades, tinha a alavanca muito cumprida, e relações longas, para um esportivo. O engate da ré, era barulhento para um modelo de médio custo.

Retomadas e ultrapassagens – Com um motor elástico com um bom fôlego, que respondia muito bem ao pedal do acelerador, era seguro e confiável. Mas com 4 adultos, perdia fôlego, era bom negociar bem as ultrapassagens.

Consumo – Para um esportivo de motor 1.4, fazer 10,9 km/l na cidade, era um grande virtude, mais informações na ficha técnica no final da matéria.

Acabamento Externo

Faróis –  Faróis retangulares de lentes planas, chanfrados nas extremidades;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor preto, com entrada de ar na parte inferior;

Faróis de neblina – Sim;

Grade de ar do motor – Com friso na horizontal na cor da carroceria;

Retrovisores Externos – Panorâmico com controle Elétrico;

Frisos – Acabamento em plástico, em toda a extensão do rodapé e nos contornos dos para-lamas;

Rodas – 185/60 R13;

Maçanetas – Embutidas nas portas;

Logo – “GTi”, Na tampa do porta–malas;

Lanterna Traseira – Tricolor;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil na cor grafite;

Volante – Espumado de três raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Opcional;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em tecido;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Rebatível;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros com regulagem de altura nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Citroën AX GTi 1.4 1995

Carroceria – Hatch;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  TU3F J2 1.4;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Transversal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 100 cv;

Peso Torque – 63,6 kg/kgfm;

Cilindrada – 1361 cm³;

Torque máximo – 12,5 kgfm a 4200 rpm;

Potência Máxima – 6800 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Injeção Multiponto;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e disco sólido nas rodas traseiras;

Peso – 795 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Independente, braço arrastado – Mola helicoidal;

Comprimento – 3517 mm;

Distância entre – eixos – 2280 mm;

Largura – 1596 mm;

Altura – 1340 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 9,4 Segundos;

Velocidade máxima – 190 km/h;

Consumo: Cidade 9,4 km/l – Estrada 12,9 km/l;

Autonomia: Cidade 469 km – Estrada 555 km;

Porta malas – 273 Litros;

Carga útil – 440 kg;

Tanque de combustível – 43 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 75.702,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe uma resposta