Chevette SL 1978 86.384 unidades emplacadas, o compacto mais requintado e caro no final da década de 1970

Compartilhe

Em 1978 o VW Fusca, ainda era o líder absoluto em vendas, mas já não tinha o mesmo glamour do início da década de 1970, e das décadas de 1950 e 1960, reposicionado pela montadora como modelo de entrada, a briga com o modelo da Chevrolet ficou por conta do VW Brasília, que entregava uma estrutura mais atrasada que o modelo Chevrolet, um acabamento mais pobre e um preço bem mais acessível. O Chevette desde 1973 já vinha assumindo o posto de compacto com um algo a mais

O Chevette SL 1978, ao lado Chevette GP, eram os compactos nacionais, mais caros, e emplacavam praticamente 50% a menos de unidades que do VW Brasília, mas por ter um preço bem mais salgado, o custo compensava para a montadora. Para os usuários o Chevette SL também era uma excelente opção de compra, com tração traseira e motor dianteiro, tinha um peso muito bem distribuído, a caixa de direção era a mais macia e eficiente da categoria.

O compacto da Chevrollet também entregava o melhor acabamento, tanto interno como externo, principalmente na parte interna, o modelo se destacava pelo conforto e a qualidade dos materiais. Ainda em comparação com a família de compactos da VW, o Chevette entrega um desempenho melhor, mais rápido, ágil e com um consumo de combustível menor.

Desempenho

Estabilidade –  O projeto, dava ao carro uma boa estabilidade, era o mais eficiente do segmento, com uma ótima distribuição de peso e tração traseira, o modelo ainda levava a vantagem de ter uma suspensão mais confortável.

Motor –  Utilizando o motor Chevrolet 1.4, entregava 68 cv, era de manutenção simples e descomplicada, porém com um custo acima da média para um compacto.

Câmbio –  O câmbio manual de 4 velocidades, era descomplicado, de engates muito macios e precisos.

Retomadas e ultrapassagens – Utilizando um motor 1.4 com aceleração de 0 a 100 em 17,4 Segundo, cumpria seu papel para a época, mas com 4 adultos e porta malas cheio perdia muito fôlego.

Consumo –  Sem dúvida era um dos pontos fortes do compacto da Chevrolet, 9,3 km/l na cidade, um número bastante significativo em um época, onde os Muscle Cars faziam em média 4 km/l. Mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos de lentes boleadas, embutidos com recuo;

Setas dianteiras – Embutidas abaixo dos para – choques;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono cromadas;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Bipartida embutida no capô;

Retrovisores Externos – Com ajuste manual;

Frisos – Adesivo peto na extensão lateral superior – Friso metálico em toda a extensão do rodapé do carro;

Rodas – Rodas de aço tradicionais da família Chevette 175/70 R13, com elegantes calotas cromadas;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “Chevette” abaixo da tampa do porta malas;

Lanterna Traseira – Bicolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em courvin marrom, com acabamento em aplique imitação de madeira Jacarandá;

Volante – De plástico injetado de quatro raios;

Sistema de som – Opcional;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Analógico;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em tecido aveludado, em tons marrom;

Acabamento das portas – Em courvin e detalhes cromados;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Embutidos nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Chevette SL 1978

Carroceria – Sedã;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  Chevroelt 1.4;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 68 cv;

Peso Torque – 89,5 kg/kgfm;

Cilindrada – 1398 cm³;

Torque máximo – 10,1 kgfm a 3600 rpm;

Potência Máxima – 5800 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 4 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 904 kg;

Suspensão dianteira – Independente, braços sobrepostos – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo rígido, barra panhard – Mola helicoidal;

Comprimento – 4193 mm;

Distância entre-eixos – 2395 mm;

Largura – 1570 mm;

Altura – 1324 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 17,4 Segundos;

Velocidade máxima – 150 km/h;

Consumo: Cidade 9,3 km/l – Estrada 14,6 km/l;

Autonomia: Cidade 419 km – Estrada 657 km;

Porta malas – 321 Litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível – 45 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 78.757,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Deixe uma resposta