Caminhonete Willys, a geração Ford da os primeiros sinais de desatualização

Compartilhe

A Caminhonete Willys, até o início da década de 1970, sem dúvida era o utilitário tanto na versão picape como SUV/Van Rural, o veículo e solo brasileiro ao lado o irmão Jeep, mais robustos e resistentes, mas após a Ford assumir a Willys-Overland em 1975/76 as coisas começaram a mudar.

Com a crise do petróleo no auge, a Ford coloca fim nos poderosos motores V8 de sua picape F-100, equipa seu utilitário 4X2 com o apático motor 2.3 de 99 cv. Já o modelo Willys que passou a ser a segunda opção de picapes da montadora, recebeu o mesmo motor 2.3 de 90 cv.

Mas por ser um modelo 4X4 direcionado para um público fora de estrada como empresas de construção civil, e em megas construções de estradas, hidrelétricas, como Itaipu, e a gigantesca obra da primeira rodovia dos imigrantes em 1976, recebeu um sistema de câmbio e tração com algumas diferenças do Ford F-100.

O problema foi que o principal utilitário da montadora americana, F-100 perdeu fôlego em seus principais mercados na zona rural e na área urbana, sem força e apático, a concorrente Chevrolet Picape que oferecia uma melhor relação força consumo, com seus motores de 6 cilindros, deitou e relou no mercado.

Em 1979 a Ford resolve o problema, lança o Ford F-1000, um modelo a Diesel, mais robusto e com uma excelente relação força consumo, e estava de volta a briga na zona rural e urbana. Mas sua chegada fez o F-75 se tornar desatualizado do dia para a noite. A montadora posicionou suas picapes entre 1979 e 1983 da seguinte maneira. F-1000 principal produto, F-100 picape intermediária. O F-75 direcionado apenas para frotistas e serviços público, até o final de 1983 quando foi descontinuado.

A unidade da nossa matéria é uma Caminhonete Willys, da geração Ford do ano de 1981. Equipado com o motor 2.3 de 4 cilindros, entregando 90 cv de força e tração 4X4, torque máximo de 83,4 kgfm a 2300 rpm, velocidade final real d e132 km/h e aceleração de 0 a 100 em 22 segundos. Quanto ao consumo na cidade 7 km/l e na estrada 9 km/l.

Acabamento Externo

Faróis –  Faróis redondos de lentes boleadas, embutidos em uma moldura cromada;

Setas dianteiras – Redondas embutidas abaixo dos faróis;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono na branca;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Bipartida;

Retrovisores Externos – Com haste;

Frisos – Não;

Rodas – De aço tradicionais Ford/Willys;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “Ford”, Na tampa traseira;

Lanterna Traseira – Em cor única sem luz de ré;

Bagageiro – Carroceria de aço;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

acabamento Interno e instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em aço na cor da carroceria;

Volante – De plástico injetado de dois raios;

Sistema de som – Opcional;

Ventilador – N/D;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – N/D;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em courvin;

Acabamento das portas – Em courvin;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Emborrachado;

Carroceria – Em aço;

Ficha Técnica – Caminhonete Willys – Geração Ford 1981

Carroceria – Ford Picape;

Porte – Grande;

Portas – 2;

Motor –  2.3;

Cilindros – 4 em linha;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 90 cv;

Peso Torque – 75,83 kg/kgfm;

Cilindrada – 2300 cm³;

Torque máximo – 17 kgfm a 2300 rpm;

Potência Máxima – 5000 rpm;

Tração – 4X4;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 4 velocidades com alavanca na coluna de direção;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a tambor nas quatro rodas;

Peso – 1418 kg;

Suspensão dianteira – Independente, braços sobrepostos – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo rígido – Feixe de molas semielípticas;

Comprimento – 4860 mm;

Distância entre-eixos – 2990 mm;

Largura – 1880 mm;

Altura – 1834 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 22 Segundos;

Velocidade máxima – 132 km/h;

Consumo: Cidade 7 km/l – Estrada 9 km/l;

Autonomia: Cidade 420 km – Estrada 540 km;

Porta malas – 750 Litros;

Carga útil – 750 kg;

Tanque de combustível – 60 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 185.990,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário